skip to Main Content
Cooperativas Debatem Novas Regras Para Utilização Do Selo Combustível

Cooperativas debatem novas regras para utilização do Selo Combustível

Reunidas em Cruz Alta (RS), na sede da CCGL, cooperativas, indústrias e entidades discutiram as mudanças do programa Selo Combustível Social, com a participação do coordenador geral de Extrativismo do Ministério da Agricultura, Marco Pavarino. No encontro, organizado pela Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), estiveram presentes dirigentes e técnicos de 25 cooperativas singulares, além da CCGL, quatro indústrias de biodiesel e a União Nacional das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária (Unicafes).

O presidente da FecoAgro/RS, Paulo Pires, lembra que todas estas mudanças que foram feitas partiram de uma reunião no início do ano com o secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Fernando Schwanke. “Ele foi muito receptivo às nossas demandas e elas foram aprovadas. Isto possibilitou o formato que é hoje o programa. Haverá um crescimento muito significativo neste programa, pois cerca de 80% da originação é feita pelas cooperativas”, destaca.

O próximo passo, de acordo com o presidente da FecoAgro/RS, é estabelecer a conexão das questões industriais com os produtores e as cooperativas. “Este projeto é muito importante para a agricultura familiar pelo bônus que valoriza o setor e pela obrigatoriedade de fornecermos esta assistência técnica ao pequeno produtor, que vai se inserir nesta evolução tecnológica que vem ocorrendo, especialmente na cultura da soja”, observa.

O Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB) tem por objetivo a inclusão do biodiesel na matriz energética brasileira. A inclusão social e produtiva da agricultura familiar é operacionalizada pelo Selo Combustível Social, que foi instituído pelo Decreto nº 5.297 de 6 de dezembro de 2004. O Selo confere ao seu possuidor o caráter de promotor de inclusão social dos agricultores familiares enquadrados no Pronaf.

Fonte: FecoAgro/RS