skip to Main Content
A Importância Do Controle De Caruru Na Safra 2020/21

A importância do controle de caruru na safra 2020/21

O caruru (Amaranthus spp.) é uma planta daninha que, nos últimos anos,  aumentou sua frequência  nas lavouras de soja do Rio Grande do Sul (RS). Resultados de pesquisas recentes confirmam casos de resistência dessa espécie ao glifosato e a herbicidas inibidores da ALS. Dados da Rede Técnica Cooperativa – RTC, safra 2019/20, apontaram sobras de caruru em 52 % das lavouras em que o glifosato foi aplicado em pós-emergência da soja. A dificuldade se agrava por ser uma espécie que ocorre durante o ciclo de desenvolvimento da soja, diferente da buva, que ocorre basicamente antes da semeadura, na dessecação prévia à semeadura da cultura. Diante desse cenário, os especialistas apontam algumas soluções.

Conforme o pesquisador da CCGL, Dr. Mário Bianchi, a resistência ao glifosato aumenta a dificuldade do controle em pós-emergência, por isso a importância de trabalhar com herbicidas pré-emergentes nesses casos, como s-metolachlor, metribuzin, flumioxazina, sulfentrazona, clorimuron, diclosulam e imazetapir. No caso de resistência a herbicidas inibidores da ALS como clorimuron, imazetapir e diclosulam, estes devem ser substituídos ou associados a produtos como s-metolaclor, metribuzin, flumioxazina ou sulfentrazona, para manter um nível de controle adequado – salienta Mário.

O Pesquisador alerta que na última safra houve grande produção de sementes de caruru na lavoura de soja, o que é um sinal que nesta safra exista um grande banco de sementes, que precisa ser controlado em pré-emergência e na pós-emergência da cultura.  – Na pós-emergência, o indicado é fazer a vistoria precoce na lavoura de soja, entre V1 (primeiro par de folhas unifolialadas) e V2 (primeiro trifólio) no máximo, pois o caruru cresce rapidamente. Diante do cenário de resistência ao glifosato e a inibidores da ALS, é necessário buscar herbicidas que melhor atendem a necessidade para controle em pós-emergência – conclui o pesquisador.

Para mais informações, faça contato com o representante técnico de sua cooperativa.

Fonte: CCGL